14 de outubro de 2008

Exemplo prático da importância de conduzir a bicicleta defensivamente

Imagine a situação ao lado. Ambas as vias são coletoras de mão dupla. Não há sinalização vertical nem horizontal. Quem vai primeiro? O veículo A, B ou C?

Veja que de qualquer modo A não pode ir antes de C, pois isso seria infração ao Artigo 38 do Código de Trânsito Brasileiro. Quem vira à esquerda tem que dar preferência a quem trafega no sentido contrário.

Se B e C fossem dois carros, a situação seria nebulosa. Por um lado, B está à direita de C, que é a regra normal de preferência. Por outro lado, B está fazendo uma conversão.

Como o veículo C era eu, de bicicleta, a situação fica clara. Diz o Artigo 38 do CTB: "Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas (...)".

O carro A parou para mim, mas o motorista de B avançou na minha frente, quase causando um acidente. Estar atento, mão no freio e comportamento defensivo foram minha salvação. E depois de tudo isso, um grito com vontade, mas sem xingar a mãe do motorista.

Fica a lição para os amigos ciclistas. Mesmo que você esteja no seu direito, esteja preparado para o pior.

Um comentário:

Sérgio disse...

"Como o veículo C era eu, de bicicleta, a situação fica clara."

Quando li isso logo imaginei que um dos carros não respeitaria a sua preferência... e não deu outra! "A situação fica clara" = lei do mais forte!

Nesses casos eu sempre continuo a pedalar para dar a entender que não vou parar (se parar de pedalar está dizendo: "dou passagem")... mas já com a mão no freio para qualquer emergência. E, muitas vezes, quando desrespeitado, buzino sem dó.